Transparência na produção e na cadeia de fornecimento, relações trabalhistas justas, uso racional dos recursos naturais. A indústria da moda tem finalmente despertado para as melhores práticas e modelos de negócio mais sustentáveis. Entre as pautas urgentes, formas de garantir que a produção e o cultivo de fibras têxteis e peças de vestuário não comprometa o futuro da água no planeta 

Sabia que a água se move em um ciclo contínuo (acima e abaixo do solo) com volume fixo? Ou seja, a água do mundo circula em um sistema fechado, conhecido como ciclo hidrológico. Por conta disso, cada uso e destino que damos a esse bem tão precioso (e finito) afeta seu acesso para outros fins.

Um desses usos, e que já entrou em pauta entre as discussões sobre o futuro da água no planeta, é o feito pela moda – da indústria têxtil à fabricação de roupas e sapatos.

A água é um ponto crucial para o cultivo e a produção das fibras têxteis. Os níveis de consumo, no entanto, variam muito de uma fibra para outra – ou mesmo de uma região de cultivo para outra. Por exemplo, em Israel, onde a água é escassa e cara, equipamentos de irrigação altamente eficazes abastassem as fábricas em momentos específicos e quantidades controladas, conforme o necessário; já no Uzbequistão, onde esse custo é baixo, acaba sendo comum a irrigação excessiva.

Entre as fibras que se utilizam da água estão o algodão – cultura que, no mundo todo, é 50% irrigada artificialmente e outros 50% pela chuva –; a viscose, que consome 500 litros por quilo de fibra produzida; e as sintéticas (principalmente, o poliéster) que, por outro lado, podem níveis relativamente baixos de água em sua produção. Outras fibras naturais – como a lã, o cânhamo e o linho – ganham pontos por não exigem irrigação artificial.

Inovar para reduzir

Seja qual for a fibra ou o material usado, o fato é que inovar para reduzir o uso de água nos cultivos e produções faz parte de um futuro inevitável para a indústria da moda.

Segundo a Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura –, há chances de ocorrerem conflitos pela água “em todas as escalas”. Para a moda, essa escala pode ser menor, mas isso depende totalmente das decisões do homem: seja por meio de seu papel nos processos de produção (cultivo de fibras e métodos de processamento e lavagem) seja no dia a dia, na hora de optar por essa ou aquela marca ou de privilegiar determinados materiais em detrimento de outros.

Mas essa lógica exige atenção. Se por um lado, uma jaqueta masculina de náilon demanda 206 litros para chegar até você; ao passo que uma blusa de lã ou de poliéster “bebe” 135 litros; por outro, produtos cuja produção utilizam um volume relativamente pequeno de água tendem a requerer uso intensivo de energia. Daí a importância de a questão ser sempre vista como um todo, considerando diferentes aspectos.

Um caminho, no entanto, é consenso: o do consumo consciente. E quando falamos do nosso guarda-roupa, um ótimo exemplo dessa postura é sempre optar por peças duráveis – que têm o bônus de se tornarem boas doações quando não quisermos mais (evitando o descarte) – e dar preferência por peças feitas com materiais reciclados e recicláveis. Além de sempre ficar de olho em novos tecidos e técnicas que apontem para uma moda mais sustentável.

Valor ecológico

Aqui na MyBasic, temos peças produzidas em tecido AMNI Soul Eco® biodegradável. E sua produção, além de isenta do uso de produtos tóxicos, também utiliza água de reuso, evitando assim o consumo de água potável.

São o caso, por exemplo, da Saia Hanauma, do Maiô Frente Única e da dupla Sutiã TQC  + Hot Pant Double Face, que compõem a nossa recém lançada linha de beach wear.

Da esquerda para a direita, conjunto de Sutiã TQC + Hot Pant Double Face; Maiô Frente Única e Saia Hanauma: tecido biodegradável com tecnologia AMNI Soul Eco® e produção com água de reuso

Mas a moda sustentável MyBasic não para por aí. A gente ama nossa malha reciclada, produzida com uma mistura de resíduos de tecidos de algodão excedente de outras produções e PET reciclado. Ou seja, são dois materiais reutilizados na produção: o algodão e esse tipo altamente reaproveitável de plástico. Peças como o Vestido Básico Lecce e a T-shirt Macedonia são confeccionados assim – além do Tenis Vert, que tem forro interno também produzido com algodão de PET reciclado.

Vestido Básico Lecce, T-shirt Macedonia e Tenis Vert: malha reciclada, reaproveitamento de resíduos de algodão e PET reciclado

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *